Teatro lambe-lambe encanta alunos da escola Izidoro Marin, no bairro Caroba


Curiosos, os alunos do 3º ano do ensino fundamental da Escola Municipal de Educação Básica Izidoro Marin, no bairro Caroba, mergulham os olhos na caixa do teatro lambe-lambe e atentos assistem a uma pequena mostra adaptada da fabula de Monteiro Lobato, O velho, o menino e a mulinha.

Depois de assistir a peça de teatro feita com pequenos bonecos e dentro de uma caixa, as crianças colocaram a mão na massa para criarem seus personagens com palitos, fios de metal e massa cerâmica.

O cenário ainda não estava pronto, mas a vontade de experimentar fez os alunos soltarem a imaginação e criarem suas próprias estórias de teatro lambe-lambe. “Adorei. Nunca tinha visto teatro assim. Agora, vou levar meu boneco para casa e pedir para a minha mãe ajudar a pintar”, conta Isabela Oto da Silva, de oito anos.

Tudo foi um exercício criativo. Para o articulador cultural Adilson de Oliveira Freitas, existe uma relação poética entre caixa e espectador. “A atividade desperta a curiosidade, estimula o potencial criativo da criança que expressa suas vivências por meio do boneco e das estórias criadas por ela”.

O encantamento com a arte reflete diretamente no aprendizado dos pequenos. “Eles adoram o lúdico. É uma forma divertida de trabalhar o conteúdo, o que facilita a aprendizagem”, conta a professora Sônia Maria Corrêa Herzer.

Antes do teatro, as crianças tiveram outras experienciais culturais como música, dança, contação de estórias e as visitas dos mestres que contaram suas experiências de vida e da dupla Grillo e Testa. “Esta fase é a materialização das vivencias que eles tiveram durante o período que o projeto foi desenvolvido”, destaca o articulador cultural Gilson Máximo.

 

Vivências criativas de tradição oral na escola

A atividade é uma das intervenções culturais feitas pela Matakiterani Associação Cultural, única a trabalhar com o teatro lambe-lambe em Lages, e faz parte do projeto “Vivências criativas de tradição oral na escola”, habilitado pelo Edital de Chamamento Público de Projetos Culturais de 2016, da Fundação Catarinense de Cultura.

A proposta do projeto é trabalhar com os alunos do primeiro ao quinto ano, mas, desde agosto, todos os 600 estudantes da instituição recebem um atividade interativa feita pela Matakiterani Associação Cultural.

 Texto e fotos: Catarinas Comunicação