Recomendadores de Alma ocupam o Centro Cultural Vidal Ramos na primeira edição do Pixurum – Encontro da Rede de Sabedoria


Encontro reuniu praticantes devotos e interessados nessa prática centenária da cultura popular catarinense

Na tarde de sábado (25/05) a galeria de artes da unidade SESC Centro Cultural Vidal Ramos (Lages/SC), foi tomada por cerca de 60 pessoas que participaram da primeira edição do Pixurum – Encontro da Rede de Sabedoria, promovido pela Matakiterani Associação Cultural em parceria com o SESC Lages. A ação pretende valorizar a literatura a partir da tradição oral presente nas manifestações de cultura popular da Serra Catarinense.

Estiveram presentes no encontro 04 grupos de Recomendação das Almas dos municípios de São José do Cerrito, Campo Belo do Sul e Monte Carlo. Segundo o articulador cultural Gilson Maximo da Matakiterani os pixuruns vão constituir ao longo do tempo um acervo digital da cultura popular catarinense: “o registro em audiovisual que foi realizado e que será editado, passará a compor o acervo de conteúdo do Centro Cultural, com livre acesso a pesquisadores, estudantes e público em geral, constituindo um importante mecanismo de salvaguarda da cultura popular, o único dessa natureza na Serra e possivelmente um dos únicos em Santa Catarina”.

A dinâmica do encontro foi uma roda de conversa na qual o Capelão (líder político e religioso do ritual) de cada grupo relatou sua experiência e trajetória na Recomendação das Almas. Seu Sebastião Rodrigues da Cruz (Seu Tatão) 84 anos, de São José do Cerrito, contou que participa desde os 14 anos e sempre é convocado a entoar as rezas cantadas nas localidades do interior e na área urbana daquele município. Dona Izanir da localidade do Taquaruçú, município de Monte Carlo, única mulher que exerce a função de Capelã, ressaltou que o rito é uma tradição presente na sua família há 05 gerações, e para seu orgulho, filhas e netas sempre a acompanham, garantindo a continuidade da prática na região.

Juventude e tradição

Em contraste com a experiência da maioria dos grupos presentes Eduardo Ortiz, 18 anos, falou em nome do grupo da comunidade do Bela Vista, também de São José do Cerrito. Ele aprendeu as rezas cantadas com outro Capelão, Seu Moacir e mobilizou as pessoas da sua localidade a retomar essa prática religiosa e cultural. Atualmente coordena o grupo nas incursões noturnas as quartas e sextas-feiras da Quaresma. De Campo Belo do Sul Seu Moisés falou da importância da ocupação dos espaços urbanos, pois até algum tempo recomendavam almas somente nas localidades do interior, onde a tradição é mais difundida.

Iguais na diferença

Após as falas os grupos entoaram rezas cantadas, mostrando que apesar de tratar-se do mesmo ritual, a forma de execução musical de cada grupo é singular e de grande riqueza melódica e literária, uma vez que essas orações cantadas perpetuam-se pela tradição oral, mantendo palavras e expressões arcaicas da língua portuguesa. Para Robson Andrade, técnico de cultura do SESC Lages, a possiblidade de receber esse tipo de atividade enriquece a programação da casa: “receber uma prática cultural tão antiga e predominantemente rural numa edificação histórica do centro de Lages é unir no mesmo espaço e tempo o patrimônio material e imaterial da nossa região, talvez não haja espaço mais adequado para emoldurar esses cantos seculares do que as paredes centenárias do Centro Cultural”.    

 

Sabores e saberes compartilhados

No espírito do Pixurum, expressão local que denomina o movimento das pessoas que juntam-se por uma causa em comum, foi servido um café com mistura, outra denominação local para um café da tarde ou mesmo um “coffe break”, no qual os pratos foram trazidos pelo público participante como Dona Diva, que ouviu a divulgação do evento pelo rádio e fez questão de contribuir com bolos e salgados, e provocou os grupos de recomenda a entoar excelências, antigas rezas cantadas tradicionalmente cantadas em velórios, proporcionado um momento de extrema beleza e emoção durante o encontro.

Os pixuruns se estendem até dezembro 

A programação dos Encontros da Rede de Sabedoria já tem data e temática definidas até o final do ano, acontecendo sempre na segunda quinzena do mês conforme lista abaixo:

  • 29/06 – Cancioneiro popular serrano
  • 27/07 – Ervas medicinais, remedieiros e beberagens
  • 31/08 – Benzedeiras e benzedores
  • 28/09 – Tradições de São João Maria
  • 26/10 – Causos, lenda e mitos serranos
  • 30/11 – Literatura popular da Serra Catarinense
  • 21/12 – Tradições dos povos de terreiro