Sacrários Abertos; Reconhecimento e identificação das “Recomendação de Almas” do Estado de Santa Catarina


/Uma incelência minha Virgem do Rosário/
/Do fruto e do ventre se fez o sacrário/
/Sacrários abertos, saiu o Senhor fora/
/Recomendando as alma, mandando pela Glória/
APRESENTAÇÃO:
De assim se desenrola a Recomenda, uma procissão, uma obrigação, um ato de fé. Os rezadores, a comunidade e o Capelão se reúnem, e consigo suas memórias. Podemos afirmar que o ritual da Recomendação das Almas apresenta-se como espaço para espiritualidade, mas também como espaço para o lazer, para estabelecer novos laços de sociabilidade e solidariedade ou fortalecer os já existentes, reforço dos valores hierárquicos e de gênero e até formas de ostentação. É espaço, também, para contato com almas de parentes e conhecidos, estabelecimento de alianças com festas, com santos, entre eles, o Monge “São” João Maria e com Deus. Este contato ocorre sob o controle do ritual, mas é possibilitado pela intermediação das lideranças laicas, que possuem o conhecimento necessário para tal. Ela acontece apenas no período na “Coresma”, nas quartas e sextas-feiras, em especial na Semana Santa, é sugerida, organizada e executada pelas comunidades que detém esse saber, sem participação de figura religiosa oficial. No entanto, por vezes a Recomenda de Almas não sai, e a justificativa para a não realização do ritual nunca está na vontade dos sujeitos, mas na falta do Capelão ou de alguém que se sinta capacitado para coordenar o ritual.
Nesse contexto ela carece do reencontro de seus fazedores nos espaços simbólico e social; e a constituição de uma estratégia para sua conservação e criação de pontes com o futuro.
MISSÃO:
 
Identificar e Reconhecer através da construção de uma estratégia para conservação e criação de pontes com o futuro dos praticantes e grupos de Recomendadores de Alma do Estado de Santa Catarina.
 
ABRANGÊNCIA:
 
Grupos de Recomendares de Alma, Mestres Rezadores, Curandeiros, Benzedores e Benzedeiras e outros Sábios da Cultura, envolvidos de alguma maneira com a prática da Recomendação das Almas no Estado de Santa Catarina, nas seguintes cidades e comunidades:
a) São José do Cerrito:
Grupo de Recomendadores do Carú – Centro da cidade.
Grupo de Recomendadores da Toca da Onça – Comunidade Toca da Onça
b) Campo Belo do Sul:
Grupo de Recomendadores e praticantes da Oração dos 25 de março – Comunidades do Morro Agudo e Morro do Chapéu.
c) Taquaruçu:
Grupo de Recomendadores Renascença Cabocla. Comunidade de Taquaruçu
d) Ponte Alta do Sul:
Grupo de Recomendadores do assentamento de Sem Terras. Assentamento Terra Livre
e) Rio Rufino:
Grupo de Recomendadores Canto dos Morenos – Comunidade do Espírito Santo
f) José Boiteux:
Grupo de Recomendadores Comunidades Cafuza – Comunidade Cafuza
g) Lages:
Grupo de Recomendadores Família do Tio Luis – Bairro Caroba
PRIMEIROS CONTATOS:
O contato com os grupos de Recomendadores de Alma ocorreu em diferentes níveis de interação, de acordo com a intimidade que havia entre as partes envolvidas. Tínhamos pelo menos três tipos de situação: grupos de contato pessoal, grupos de contato telefônico e grupos desconhecidos. Em todos os casos o principal meio de comunicação foi o telefone.
Nos grupos de contato pessoal havia maior facilidade de aproximação, uma vez que já havíamos visitado essas comunidades antes da realização do projeto e um simples telefonema era suficiente para o agendamento de visita e a apresentação do projeto.
Nos grupos de contato telefônico, encontramos uma dificuldade natural em termos de credibilidade, ou seja, que os grupos acreditassem que a proposta era séria e comprometida com suas práticas culturais. Como forma de contornar essa desconfiança, cada contato telefônico era precedido do anúncio da fonte da informação, fonte essa que gozava de credibilidade e confiança junto às comunidades.
Os grupos desconhecidos foram identificados em visitas aos grupos conhecidos, e até mesmo anunciados nos contatos telefônicos para agendamento das visitas. A constatação que havia mais praticantes da recomenda do que inicialmente havíamos previsto no projeto não chega a surpreender dado o status marginal que essa prática possui no estado, pelo contrário, corrobora a tese de que a identificação e o reconhecimento social dessas pessoas pode ser a chave da continuidade dessa tradição popular.
Finalizada a fase de agendamento de visitas, chegou o momento de estar em campo encontrando os grupos no seu lugar de origem, as comunidades a qual eles pertencem.
O ENCONTRO COM OS GRUPOS:
O encontro presencial com os grupos se deu no período Quaresma, momento que a Recomenda é realizado e reune seus praticantes, o objetivo foi visitar o maior numero de Grupos de Recomenda, focado no registro de áudio, no intuito de perceber como cada grupo entoa as orações cantadas. Também obtivemos belas surpresas ao entrar em contato com ritual da recomenda onde compartilharemos nos relatos abaixo transcritos:
 
Origens da Recomenda:
(Extraído do relato de campo De Adilson Freitas, Campo Belo do Sul dia 19/03/2010)
 
 
Conta Seu Nino, que um homi saiu cá muié do irmão, e caíram no desfrute, esse homi se arrependeu, então resolveu se confessar com o Monge São João Maria que andava pela aquela região em peregrinação.
E assim ele fez, contou seu o pecado e seu arrependimento e o Monge João Maria falou:
– Que praquele pecado não havia perdão, mas que ele saísse na Coresma, nas quarta e nas sexta e principalmente na Sexta Feira maior a Sexta da Paixão, Recomendá Alma, e fizesse isso, durante sete anos seguidos, e assim quem sabe na hora de sua morte o seu fardo fosse aliviado. O homi cumpriu os sete anos, quando morreu não se sabe se recebeu o perdão, pois quem morre não volta pra conta, mas que até hoje se faz Recomenda isso se faz, ela é penitência…
O Sentido da Recomenda:
(Extraído do relato de campo de Adilson Freitas, Rio Rufino 07/03/2010)

Ao chegar lá fomos surpreendidos, o motivo foi o falecimento de uma pessoa da comunidade dos Moreno, uma das mais antiga conhecida popularmente como “Tia Tonha”, segundo populares era a mãe de todos, ela fazia parte do grupo de Recomendadores e simbolicamente é a Recomenda que vai se (urtimando) ultimando. Perante essa circunstância vivenciamos outra forma de Recomenda, ainda não presenciada, aquela realizada com o morto presente. O encontro de oração parou para missa de corpo presente, onde se viu a mescla ou sincretismo entre a Recomenda e a Igreja Institucional.
Importante observação foi a incorporação do canto dos Moreno com os ritos do Catolicismo Institucional, exemplo disso foi o momento que o padre pediu para os Morenos cantassem para Tia Tonha. Foram duas orações entoadas na missa de corpo presente. O momento mais emocionante foi da despedida, eles cantaram propiciando a mim outra visão sobre o próprio rito, e o entendimento da Recomendação das Almas como ato de despedir-se do morto cantando à vida.
Sendo assim, poderíamos poetizar essa experiência dizendo que o sentido e a vida da recomenda é a morte. Talvez para Tia Tonha a Recomenda se “urtimô”, mas para aqueles conhecidos dela, companheiros de recomenda, ela voltou a ter sentido. Mais uma vez com emoção, agradeço a experiência ao meu padrinho e nosso Monge João Maria D’Agostinho Jordão nos alumie….
Espaço de prosa e descoberta;
(Extraído do relato de campo de Kellen Demeneck, São José Cerrito, 02/04/2010)
Assim que chegamos seu Tatão disse vá lá dentro e fique com as mulheres! Assistimos TV e logo começamos a comer milho verde, uma delícia, e pinhão cozido.
Durante esse tempo na cozinha a mulher do seu Tatão disse: que ela gostaria de ir e que seu Tatão disse que levava ela, mas que depois que a filha havia falecido em acidente de trânsito não tinha mais vontade de sair de casa.
Quando estávamos saindo ainda perguntei: Vamos? Mas ela disse ano que vem tem que cuidar da velhinha. E saímos para Recomenda.
A Tradição que se afirma:
(Extraído do relato de campo de Adilson Freitas, 31/03/2010)
A Recomenda foi puxada pelo grupo de Recomendadores de Taquaruçu que se denomina Renascença Cabocla, isto se dá pelos integrantes se considerarem caboclos, filhos da Guerra do Contestado. Sobre o grupo a surpresa foi ver a vivacidade, aglutinando diferentes idades e gerações, todos preocupados com continuidade do rito.
Outra surpresa foi ver que o Capelão ou responsável maior, liderança do grupo, era uma mulher, Dona Alzira, que compôs o terno de rezadores com sua filha e sua neta reunindo três gerações.
Ela comentou que o grupo deles é bom, porém seria muito bom se cantasse com mais vozes masculinas, porque assim ela não teria que fazer tanto esforço. Concluiu dizendo que “fica mais bonito, quando se tem voz masculina fica mais forte”.
Vamos se despedindo da Coresma até o ano que vem…
(Extraído do relato de Gilson de Máximo, 02/04/2010)
Ao terminar a Recomenda vi um gesto novo iniciado pelo André, filho da falecido Seu Picão, o Capelão de Campo Belo do Sul: cada um que recomendou almas foi orientado a deixar uma cruz aos pés da igreja, feita de graveto, grama, qualquer coisa, e assim todos fizemos e indo embora com a certeza do dever cumprido.
Um traço marcante nessa recomenda do Campo Belo foi seu caráter penitencial. Vários fazedores usaram esse termo e enxergavam o rito dessa maneira, uma penitência pela remissão dos pecados numa espécie de confissão coletiva, onde os silêncios entre as rezas se faziam ouvir nos gestos daqueles homens simples e cheio de fé, que na rudeza de seu rito renovavam sua crença numa vida melhor.
 REALIZAÇÕES:
 
Reconhecimento e Autoconhecimento da Recomendação das Almas:
 
1. 08 Grupos de Recomendação das Almas reconhecidos, por meio de relatos de campo, áudios e vídeos;
2. 07 Grupos de Recomendação das Almas visitados durante a Quaresma;
3. 03 Grupos de Recomendação das Almas antes desconhecidos, hoje identificados;
4. Início da formação da rede de Grupos de Recomendação das Almas: 07 autoconhecimentos: Grupos de Recomendação das Almas que não sabiam da existência dos demais.
Criação de condições e espaços de fruição da Recomendação das Almas:
1. Espaços virtuais: blog sobre o projeto como repositório de imagem, áudio e vídeo da prática;
2. Perspectiva de retorno as comunidades, focado na entrevista formal e repetição de partes do ritual;
Solidificação da pesquisa de Recomendação das Almas:
1. 08 Grupos de Recomendação das Almas identificados e reconhecidos;
2. 07 Registros em áudio dos Grupos de Recomendação das Almas;
3. 07 Visitas em campo a Grupos de Recomendação das Almas.
 

Comente